%= render 'layouts/carrousel' %>
 144 Visualizações

Servidoras e servidores participam de formações em português e redação jurídica

Turmas de novos cursos promovidos pela Emeron são ministradas na modalidade EaD e integram a Trilha de Aprendizagem Institucional

11/06/2021 01:06

Foram finalizadas, na última semana, duas turmas de novos cursos promovidos pela Escola da Magistratura do Estado de Rondônia (Emeron): Redação Oficial e Jurídica e Português Instrumental. Ambas as formações foram ministradas na modalidade Educação a Distância (EaD), pela servidora Maria Janete Rodrigues, e integram a Trilha de Aprendizagem Institucional.

Realizado entre 1º de março e 7 de junho no Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) da Emeron, o primeiro curso teve como foco as regras e normas da redação oficial e jurídica, de forma a proporcionar o desenvolvimento das competências necessárias ao melhor desempenho das atividades profissionais ligadas à produção de textos oficiais e à aplicação das normas cultas da língua portuguesa, contribuindo para o aperfeiçoamento da comunicação interna e externa do Tribunal de Justiça de Rondônia. Receberam a formação um grupo de cem servidoras e servidores que participam da Trilha de Aprendizagem, com uma segunda turma já em andamento.

Com mestrado em Letras, Janete, que atua como revisora de texto na Coordenadoria de Revisão Redacional do TJRO, diz que o curso foi pensado a partir de reivindicações por parte dos servidores. “O que muito nos satisfez, pois vimos aí uma preocupação em bem atender à sociedade. Sabemos desse distanciamento que a linguagem, quando mal-empregada, causa, podendo tirar direitos, ocultar deveres, obscurecer atos essenciais para a aplicação das leis, para o resultado dos litígios de modo geral”, pontua a analista judiciária. As unidades de estudo abordaram: noções gerais de tipos de textos e gêneros discursivos, o texto e discurso jurídicos, redação oficial, ementas, e norma culta da língua.

Segundo ela, a linguagem jurídica tem suas especificidades e é preciso um bom domínio de termos, sem obscurantismo, sem o chamado juridiquês, que é um neologismo em voga no Brasil para designar o uso desnecessário e excessivo do jargão jurídico e de termos técnicos de Direito que tantos entraves vêm causando a quem busca o Judiciário na solução de conflitos. “O curso visa, sobretudo, a desmistificar essa linguagem, tornando-a de fácil compreensão, sem tirar o elemento técnico-linguístico que faz parte de cada profissão”, conclui Janete. A segunda turma do curso, que começou em 3 de maio, segue até o próximo dia 30 de junho, para outra centena de servidoras e servidores.

Português Instrumental

Já o curso de português ocorreu apenas em maio, entre os dias 3 e 31, para mais um grupo de cem pessoas, com o objetivo de aperfeiçoar suas habilidades e conhecimentos sobre a língua padrão. “A palavra, o discurso, é a principal ferramenta de quem trabalha no Poder Judiciário. Pelo discurso, decidem-se vidas, destinos. Por isso, precisamos estar afinados com a linguagem”, afirma a ministrante.

Para ela, o curso surge como meio de oferecer ao serventuário da Justiça uma abordagem mais normativa e, ao mesmo tempo, adequada do ponto de vista da compreensão textual. “É importante que pensemos a linguagem como meio de acesso ao Judiciário, desvelando o mito da linguagem técnica, a qual é compreendida apenas pelo advogado. É de suma importância que todos os envolvidos no processo compreendam o que foi decidido, o que foi dito. Com isso, estamos atendendo ao Princípio da Transparência, sobretudo”, salienta Janete.

Os conteúdos versaram a respeito de aspectos gerais sobre o conceito de texto, como clareza e objetividade, coesão e coerência textuais, e paralelismos sintático e semântico, além das regências nominal e verbal, por meio de videoaulas gravadas, materiais de estudo e atividades para a aplicação das aprendizagens. “O ponto alto do curso é a revisitação a pontos gramaticais que trazem maior dificuldade em aplicar nas construções textuais”, finaliza a servidora.

Assim como o curso de redação jurídica, o de português instrumental, por também integrar a Trilha de Aprendizagem Institucional, tem caráter permanente, portanto serão abertas novas turmas conforme a necessidade.

Fonte: Assessoria de Comunicação – Emeron

Acompanhe-nos nas redes sociais: instagram.com/emeron_oficial, twitter.com/emeron_rondonia, facebook.com/EmeronRO e youtube.com/EscolaEmeron


Contato

Se precisar, entre em contato.

Tribunal de Justiça de Rondônia
Sede - Rua José Camacho, nº 585 - Bairro Olaria
Cep 76801-330 - Porto Velho, Rondônia
Alô Justiça: 0800-647-7077 Geral: (69) 3217-1152

© 2021 Divisão de Pessoal - Dipes
Versão do Sistema v0.0.4