Este site possui recursos de acessibilidade para web visando à inclusão e autonomia de todas as pessoas.

Quinta, 07 Novembro 2019 16:56

Uma pessoa consegue na Semana de Conciliação, em Porto Velho, o direito à mudança de nome e gênero

Nessa quarta-feira, 6, em audiência de conciliação realizada pela conciliadora Alba Valeria e homologação do juiz Audarzean Santana da Silva, na Semana Nacional de Conciliação, foi determinado ao cartório extrajudicial do 1ª Ofício de Notas e Registro das Pessoas Naturais do Município de Porto Velho, que proceda a mudança do nome e de gênero de uma pessoa do sexo masculino para o feminino.

Segundo a decisão judicial homologada, a pessoa, atualmente com 33 anos de idade, afirmou em seu pedido que desde os 12 anos de idade se veste como mulher e faz tratamento hormonal para se adequar a características feminina. O pedido na mudança é porque o nome e gênero masculinos lhe deixava constrangida.

Ainda segundo a decisão, diante da situação que vinha sofrendo, a requerente tentou solucionar o caso diretamente no cartório onde estar seus assentos de nascimento, porém, em virtude do elevado preço de 256 reais, procurou a Justiça Rápida. Para a mudança juntou em seu pedido os seguintes documentos: fotos, RG, título de eleitor (com o nome social), CPF (também com o nome social), certificado de alistamento militar, certidão de protesto, declaração de três pessoas que a conhece; certidões de antecedentes criminais da Polícia Federal, do TRF, da Justiça Militar, assim como certidões negativas de tributos federais e de débitos trabalhistas.

A Defensoria Pública, representada pelo defensor público Eduardo Guimarães Borges, em defesa da pessoa requerente, afirmou que o caso já tem entendimento pacificado no Supremo Tribunal Federal, Superior Tribunal de Justiça e no Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia. O entendimento desses tribunais é no sentido de que é direito da pessoa trans, “independentemente de realização de cirurgia ou laudo psicológico, alterar o nome sem recorrer ao Poder Judiciário, bastando a vontade da pessoa”. Já a Promotoria de Justiça, representada pelo promotor Renato Grieco Puppio, no caso, disse “que a declaração de vontade da pessoa requerente era o bastante para tal mudança, “nos termos das mais recentes decisões dos tribunais superiores”.

Após a fala do defensor público e promotor de Justiça, o juiz Audarzean Santana julgou procedente o pedido. A sentença narra, entre outros, que, “com base no art. 5º, da Resolução da Resolução 773/2018, do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), esta alteração não pode constar nas certidões do assento civil”.

 

Assessoria de Comunicação Institucional

Poder Judiciário de Rondônia

Poder Judiciário do Estado de Rondônia
Alô Justiça 0800-647-7077 | Geral (69) 3217-1152
Sede - Rua José Camacho, nº 585 - Bairro Olaria
Cep 76801-330 - Porto Velho, Rondônia